DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

ARTE E VIDA EM OBRA: A POÉTICA BIOGRAFEMÁTICA DE RUBIANE MAIA, (2020)

Trata-se da dissertação de mestrado intitulada "Arte e vida em obra: a poética biografemática de Rubiane Maia" [2020],desenvolvida por Lindondomberto Ferreira Alves, sob orientação da Prof.º Dr.º Ricardo Maurício Gonzaga, como requisito à obtenção do título de Mestre em Artes, na área de concentração Teoria e História da Arte, pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade Federal do Espírito Santo (PPGA-UFES). Esta pesquisa tem como objeto de estudo a trajetória da artista multimídia Rubiane Maia (Caratinga, 1979). Visando um recorte mais circunscrito, e tendo como aporte teórico a noção barthesiana de "biografema", ela se detém à análise das relações entre arte e vida que perpassam a construção poética da artista, entre os anos de 2006 e 2016 - intervalo que compreende seus dez primeiros anos de carreira. Busca-se, portanto, investigar nos múltiplos registros processuais de Rubiane Maia - pessoais e artísticos - os deslocamentos do seu projeto poético, atendo-se no que nele diz respeito à singularidade dos modos com os quais a artista agencia o híbrido arte-vida-obra que atravessa o campo de efetuações de seu saber-fazer artístico, inserindo-a também no contexto da arte contemporânea. Nossa hipótese é que os processos criativos desta artista produzem determinados registros e resíduos, presentes nos interstícios de suas ações performativas, que permitem situar em perspectiva as intenções reveladas de um trabalho ético sobre si, uma política de si, uma criação de si que, ao fazer dos processos de arte sensações de vida, busca lidar com as maneiras de viver, com a arte de viver. Assim, conectada nos pormenores e no descontínuo que pululam do território artístico-existencial desta artista, e apoiada nos pressupostos metodológicos do que Sandra Mara Corazza (2010) chama de "método biografemático", esta pesquisa é um convite para aproximarmo-nos das principais linhas de força poética de Rubiane Maia - um dos nomes relevantes da história recente das artes no Espírito Santo, com projeções nacional e internacional. Nosso esforço, aqui, caminha no sentido de colocar o conjunto da obra de Rubiane Maia em circulação; dando visibilidade à sua produção, bem como resgatando a importância e a potência desses trabalhos, de modo a apresentá-los às gerações futuras.

ALVES, Lindomberto Ferreira. Arte e vida em obra: a poética biografemática de Rubiane Maia. 2020. 300 f. Dissertação (Mestrado em Artes) - Programa de Pós-Graduação em Artes, Centro de Artes, Universidade Federal do Espirito Santo, Vitória, 2020. 

TRABALHO DE CONCLUSÃO CURSO

A ESTETIZAÇÃO DA EXISTÊNCIA E AS POÉTICAS ARTÍSTICAS CONTEMPORÂNEAS: ARTE E VIDA EM OBRA NA PERFORMANCE "O JARDIM" (2015) DE RUBIANE MAIA, (2020)

Trata-se do trabalho de conclusão de curso em Artes Visuais intitulado "A estetização da existência e as poéticas artísticas contemporâneas: arte e vida em obra na performance 'O Jardim' (2015) de Rubiane Maia" [2020],desenvolvido por Lindomberto Ferreira Alves, sob orientação da Prof.ª Esp.ª Cintia Borges Ribeiro, como requisito à obtenção do grau de artista visual, pelo Centro Universitário Dr. Edmundo Ulson (UNAR-SP). A pesquisa procura busca submeter o tema da estetização da existência à análise e, estrategicamente, a partir do exame das poéticas artísticas contemporâneas. Entre vários artistas que realizaram e/ou realizam trabalhos primorosos nesse sentido, um caso exemplar, o da artista multimídia Rubiane Maia (1979- ). O conjunto da obra desta artista se trata, para nós, de um caso exemplarmente significativo para se pensar o deslocamento efetuado pela relação entre arte e vida na contemporaneidade e nele a possibilidade de realização da própria vida como obra de arte. Visando um recorte mais circunscrito, propõe-se examinar, a partir da discussão dos processos criativos explorados na performance O Jardim (2015), de Rubiane Maia, em que medida a práxis vital, tomada em sua dimensão estética, constituiria um modo prolífico de contestação dos regimes de visibilidade das relações sistêmicas da arte, conduzindo a afirmação de novas dimensões do estético - distintas dos sistemas de valores essencialmente artísticos.

ALVES, Lindomberto Ferreira. A estetização da existência e as poéticas artísticas contemporâneas: arte e vida em obra na performance 'O Jardim' (2015) de Rubiane Maia". 2020. 79 f. Trabalho de Conclusão de Curso. Centro Universitário Dr. Edmundo Ulson - UNAR/SP, Araras, 2020. 

SOMBRA [E...] ÁGUA FRESCA: TRAÇOS PARA UMA ARQUITETURA DE ESPERA, (2013)

Trata-se do trabalho final de graduação em Arquitetura e Urbanismo intitulado "Sombra [e...] água fresca: traços para uma arquitetura de espera" [2013], desenvolvido por Lindomberto Ferreira Alves,  sob orientação da Prof.ª Drª. Thaís de Bhanthumchinda Portela, como requisito à obtenção do grau de arquiteto-urbanista, pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade Federal da Bahia (UFBA). A pesquisa procura discutir como a supressão da correlação entre espaço físico e social, expressa no traço do arquiteto-urbanista submetido à espetacularização urbana contemporânea, subtrai do citadino a possibilidade de apreender, modificar, (re)criar, atualizar e representar o que o rodeia, colaborado para o empobrecimento das experiências cognitivo/corporais que se desdobram apartir do seu "estar" urbano. Assim, interessado no caráter político da arte e noção de arquitetura menor, deslocou-se o ponto de vista da cidade para as engenhosas táticas de apropriação do espaço público por seus praticantes, buscando destacar a potência do desvio não apenas como ferramenta de resistência à (re)produção de consensos sobre a cidade, como, também, meio através do qual podemos nos reinventar enquanto arquitetos-urbanistas ante a complexidade da cidade em sua alteridade. 

ALVES, Lindomberto Ferreira. Sombra [e...] água fresca: traços para uma arquitetura de espera. 2013. 117 f. Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.